Pular para o conteúdo

Modric: “Não há nada melhor do que ser jogador no Real Madrid”

Luka Modric, de 35 anos, teve seu contrato renovado com o Madrid até junho de 2022 e vai para 10° temporada como madridista

O croata Luka Modric teve sua renovação de contrato anunciada pelo Real Madrid por meio de comunicado oficial nesta quinta-feira (25). Dessa forma, acompanhado pelo presidente Florentino Pérez, o meio-campista assinou os papéis em Valdebebas e pousou com uma camisa.

Nesse sentido, Modric foi entrevistado pela RealMadrid TV: “Estou muito feliz e orgulho de continuar mais um ano neste clube. Não há nada melhor do que ser jogador do Real Madrid e não há melhor sensação que estar jogando no Bernabéu.”

“Todos querem chegar no Real Madrid e eu tive a sorte de estar aqui, vou cumprir minha décima temporada e não há nada melhor que representar este grande clube. Foram nove anos de sonhos e espero que o décimo ano seja especial também”, declarou o croata.

Confira outras declarações

Orgulho: “Significa muito. Me encho de orgulho e vai significa que vou estar aqui por dez anos. É algo incrível, ninguém esperava. Cheguei aqui com 27 anos e a última coisa que esperava era estar tantos anos neste grande clube, onde a exigência é máxima e sempre tem que estar em grande nível para merecer continuar.”

Segredos da longevidade: “Me cuido ao máximo no dia a dia porque sei que a carreira de um jogador, ainda que agora se prorroga mais, há que estar focado, recuperar, comer e descansar bem. Por isso, creio que sigo mantendo este nível que demonstrei este ano. Este clube te obriga a fazer o máximo e enquanto eu estiver aqui vou dar tudo.”

Ensinamentos do Real Madrid: “Este clube e esta camisa te ensinam a nunca se render. Vivemos momentos em quem lutamos, não nos rendemos, e ganhamos partidas e títulos nos últimos minutos. Isso é o mais importante: confiar em você mesmo e não se render.

Seus apoios: “Minha mulher esteve comigo desde o início. Estamos juntos desde que tinha 18, 19 anos e é meu maior apoio, especialmente nos momentos difíceis, porque precisa ter alguém que esteja sempre contigo e veja suas dificuldades e sofrimentos. Logo depois, estão meus filhos, minhas irmãs, meus pais e amigos da infância. São as pessoas que estão sempre comigo nos bons e maus momentos e a quem estarei sempre agradecido.”

Pior momento: “Foi quando estive lesionado um mês depois da La Décima. Tínhamos mais de 20 vitórias seguidas e ao longo desta fase me lesionei e estive quatro meses fora dos gramados me recuperando.”

Chegada ao Real Madrid

A princípio, chegar em um novo clube gera muita expectativa, ademais no Real Madrid. Sobre isso, Modric conceituou como um “sonho de verdade.”

“Chegar ao Real Madrid foi um sonho de verdade. Em minha cabeça, tinha todo o sofrimento e a luta que havia passado antes de chegar aqui, porém a única coisa que tinha na minha cabeça é que eu ia triunfar aqui e sabia que ia dar tudo para conseguir. Não ia me render nunca e se as coisas não fossem tão bem, tinha claro que ia trabalhar para triunfar. Esta era minha mentalidade e queria triunfar sim ou sim.”

Assim também, o jogador comentou sobre o dia da sua apresentação: “O dia da minha apresentação foi muito emocionante porque estive quase dois meses minha assinatura com o Real Madrid. Estava muito nervoso e quando pousei aqui e assinei meu contrato tudo aconteceu muito rápido. Me mostraram os troféus e foi muito bonito este momento.”

Bola de Ouro

Nesse meio tempo, Modric comentou sobre ter sido eleito melhor do mundo em 2018 definindo como “algo incrível” e falando sobre o orgulho do seu pai.

“É algo incrível. Se você imagina o que quer ganhar na carreira, isso é a cereja do bolo. Foi algo espetacular, especial e inesquecível ganhar na época em que estão Cristiano Ronaldo, Messi e outros grandes jogadores que sempre falam que vão ganhar. É uma lembrança para toda a vida apresentar o troféu no Bernabéu e ver que a torcida gritava meu nome e me aplaudia. Me emociono falando dessas coisas”, completou o camisa 10.

Em seguida, sobre seu pai, Luka declarou: “Não consigo imaginar como meu pai estava orgulhoso. Eu me coloquei no lugar dele e seu comportamento chorando me emocionou. Sei que ele estava comigo desde o início, me levando todos os dias para treinar e depois dos treinos íamos para o estacionamento de um hotel perto de onde morávamos e trabalhava comigo. Ele estava comigo todos os dias e às vezes minhas irmãs vinham nos ver. É muito bom vê-lo tão animado e fico muito feliz por ele ter vivido tudo isso comigo. Ele leva muito crédito pelo que eu conquistei porque ele é meu maior fã e meu apoio desde o início. Ver ele tão animado é uma coisa muito, muito bonita.”

Melhores momentos no Real Madrid

Ao passo que ia jogando, Modric conquistava títulos e aumentava seu currículo com a camisa do Madrid. Mesmo assim, como é carinhosamente apelidado, Lukita considera difícil eleger apenas um momento com o clube merengue.

“É difícil eleger um momento com o Real Madrid porque há muitos. Não gostaria de eleger um, mas ganhar La Décima e fazer nesta temporada um doblete por ganhar a Copa, o doblete da temporada 2016/17 em que ganhamos LaLiga e Champions… Nestes anos jogamos muito bem e me senti com muita confiança, desfrutando das partidas. Também o ano de 2018 que foi espetacular para mim tanto a nível coletivo como individual. Foi espetacular o que fizemos nesses 9 anos. É quase irrepetível e, para ser honesto, não poderia imaginar que ganharia quatro Champions.”

Champions League

Por fim, Luka Modric comentou sobre as suas quatro Champions League conquistadas com o Madrid e como foi cada um desses títulos.

La Décima é especial porque se esperou 12 anos para conquistá-la. Foi algo único e ganhar da maneira que ganhamos, não nos rendendo até o final e acreditando… Acreditamos de verdade e o gol que fizemos no último minuto da partida foi especial. Foi um título impressionante.”

Sobre a La Undécima decidida nos pênaltis contra o Atlético de Madrid, Modric afirmou que acreditava que o time poderia ter resolvido o jogo antes: “Na La Undécima, eu creio que poderíamos ter resolvido antes a partida. Falhamos bastante oportunidades, mas no final mantivemos a calma nos pênaltis e ganhamos o título.”

Por outro lado, o meio-campista definiu a La Duodécima conquistada contra a Juventus pelo placar de 4×1 como a melhor final jogada pelo Madrid: “La Duodécima foi para mim, de longe, nossa melhor partida em uma final de Champions League. É a que mais desfrutei jogando.”

Afinal, o croata falou sobre a La Decimotercera relacionando esta como uma dinastia europeia que o Real Madrid firmou: “La Decimotercera foi também muito especial porque o Mister nos mostrou um vídeo de dinastias no esporte antes desta partida de equipes de basquete e futebol americano que ganharam dois ou três títulos consecutivos… Nós queríamos formar parte também de uma dinastia e ganhar a terceira Champions seguida. Sempre falávamos que se existia uma equipe que pudesse ganhar duas Champions seguidas ou mais era o Real Madrid. O Real Madrid tinha que ser o primeiro.”