Em casa, em Valdebebas, neste sábado (21), Real Madrid encerrou sequencia de vitórias com derrota no derbi para o Atlético de Madrid por 1 a 0. O único gol da partida foi marcado por Van Dogen em jogada polêmica logo aos cinco minutos de jogo.

Apesar da derrota, o Real Madrid ainda se mantém dentro da zona de classificação para a Champions Feminina, em terceiro lugar na tabela. Na próxima rodada o time de David Aznar enfrenta o Sporting Huelva fora de casa.

DEPOIS DO GOL, ATLETI JOGOU COM O RESULTADO DE BAIXO DO BRAÇO

Madridistas começaram bem, indo ao ataque. A equipe pressionou o Atleti no inicio do jogo, até que após escanteio Alexandri domina a bola que bate na mão da colchonera e volta ao chão, mantendo a posse. A jogadora então toca para Van Dongen que chuta para abrir o placar.

Na frente no marcador, o Atletico de Madrid aproveitou-se do resultado e soube eliminar os espaços do Real Madrid. Sem ter por onde sair, com Asllani marcada sempre por duas jogadoras e a pressão alta no campo de defesa merengue, colchoneras aproveitam das roubadas de bola para tentar ampliar.

Em chute de Deyna de fora da área, Misa trabalhou se esticando para buscar a bola da venezuelana que cairia no ângulo. A goleira madridistas fez uma boa primeira etapa, sempre se antecipando as decisões colchoneras e evitando o 2 a 0.

Com pouco espaço, as únicas boas chances do Real Madrid no primeiro tempo vieram de uma ação de Marta Cardona que quebrou as linhas de marcação indo da ponta para o meio – Jakobsson desperdiçou o chute, e num tento de Maite Oroz que terminou em defesa de Peyraud-Magnin.

Na segunda etapa o Real Madrid jogou melhor. Propos o jogo com as mudanças de Aznar. Olga entrou no lugar de Thaisa para dar volume ao ataque. A entrada da espanhola desafobou Jakobsson e Asllani do primeiro passe, mas concentrou as subidas pelo lado esquerdo do campo.

Sofia esteve por três vezes impedida em boas oportunidades. Por vezes a sueca trocava de lado, no campo, deixando o corredor para Olga e tentando driblar a marcação. Outra que teve dificuldades na partida foi Asllani, a camisa 9 pouco conseguiu criar ou concluir, quando a bola chegava a sueca estava com duas ou três colchoneras próximas.

Outra troca foi a entrada de Tere Abelleira no lugar de Marta Corredera que saiu sentindo dores após dividida. A mudança melhorou os passes entre linhas, mas concentrou ainda mais as ações pela esquerda – facilitando o trabalho do Atléti que fechava o setor com superioridade numerica.

Muitos erros da arbitragem para todos os lado. Faltas não marcadas em Ludmila não rendem cartões que poderiam ser sido vermelhos para as jogadoras do Real Madrid, assim como dezenas de conversões (laterais e escanteios) marcados de forma errada para ambos os lados.

Em cobrança de escanteio aos 92, Ivana Andrés foi completamente agarrada (no melhor estilo abraço) na área e a arbitragem fingiu que não viu. Em mesmo esncateio Babett cabeceçou para Lucy tirar em cima da linha.

Com a vantagem no placar, o Atlético se aproveitava para enrolar a partida em toda oportunidade. Sampedro, Messeger e Pauline fizeram de tudo para o tempo correr enquanto cobravam laterais e tiros de meta.

O placar terminou com vitória colchonera em um jogo marcado por erros da árbitragem.