Real Madrid e Manchester City se enfrentam amanhã (26) às 17h, horário de Brasília, no Santiago Bernabéu pelo jogo de ida das oitavas de final da UEFA Champions League. Como em todos os duelos da competição, um dia antes da partida jogadores e técnicos concedem entrevista coletiva. O escolhido da ocasião pelo time merengue foi o capitão Sergio Ramos, ao lado de Zinedine Zidane.

O zagueiro falou sobre as atualidades do clube madridista e, claro, principalmente com relação ao decisivo confronto desta quarta-feira contra a equipe de Pep Guardiola.

Real Madrid e a Champions: “Quando a Liga dos Campeões chega, às vezes você está mal e faz um ótimo jogo. Será um duelo muito difícil contra um oponente complicado, mas gostamos desse tipo de duelo, é um dia especial.
A verdade é que para nós a Liga dos Campeões é sempre especial, o hino já é uma motivação extra para todos, também para os torcedores. Não é por acaso que temos esse registro vitorioso na competição e que há mágica. Para mim, é um privilégio jogar a Liga dos Campeões”.

Recentes resultados ruins da equipe: “No final, o futebol é resultado e o time não mudou em muitas coisas, perdemos jogando bem, mas não estávamos bem diante do gol e é o que o penaliza. Acho que o melhor caminho a seguir é esse, quando os resultados não nos acompanham, é muito fácil conversar, mas queremos conversar em campo com fatos e queremos alcançar os desafios vencendo. Não há tempo para lamentar neste momento delicado da temporada”.

Arbitragem europeia: “Não me sinto perseguido, mas a filosofia na Europa é diferente, é mais permissível, nem melhor nem pior. Eu acho que tenho um bom relacionamento com os árbitros, exceto com o da semana passada, que eu acho é algo pessoal”.

Poucos gols do Real Madrid: “Estivemos a temporada inteira assim (sem marcar muitos gols) e ninguém falou sobre a falta de gols. Falar sobre falta de gols agora é oportunismo. Criamos chances e fazemos muitas coisas bem. Não sei se vamos perder tentos, espero que não”.

Pep Guardiola: “Eu tenho muito respeito por ele e é um ótimo treinador, seus números falam por si. O que nos motiva é a Champions, não um treinador ou um jogador. Há muita motivação quando esse hino toca. Esquece-se de tudo. Se vencermos, outra brincadeira contra nós pode cair, mas a motivação é a Champions”.

Renovação com o Real Madrid: “Estão falando sobre isso há algumas semanas. O clube e eu atravessamos um bom momento e não temos pressa. Vamos chegar a um entendimento, independentemente da filosofia. Entendo a filosofia do clube que renova ano após ano. Estão procurando uma intriga minha com o clube que agora não existe e certamente chegaremos a um acordo. Agora temos que nos concentrar na Liga dos Campeões e na La Liga, o resto é secundário”.

Possibilidade de punição pelas palavras sobre Hernández Hernández: “Acho que não disse nada fora do lugar. Vivemos em um país democrático e todos podem dizer o que pensam, sem superar um limite que acho que não superei”.

Gareth Bale: “Como capitão, não devo julgar o que os outros jogadores fazem em suas vidas pessoais. Quem tem que tomar decisões é o treinador e o que espero é que Hazard se recupere o mais rápido possível. O bom é que o treinador possa ter mais jogadores disponíveis, é melhor. Os problemas de Zidane são esses, não saber quem colocar, porque todos os jogadores são muito bons”.

Punição ao City pelo Fair Play Financeiro: “Quando percebem que essa pode ser sua última participação, ficarão ainda mais motivados. Espero que nunca passemos por isso, porque a Liga dos Campeões é uma competição muito especial. É um foco para mostrar o que é bom e o que é ruim”.

Defesa madridista: “Vamos tentar continuar na dinâmica anterior, deixando poucos espaços entre as linhas e os jogadores. Mas não é uma questão de zona defensiva, é de todos. Atualmente, temos trabalhado nesses detalhes. Espero que tenhamos um ótimo resultado”.

O ‘trauma’ da temporada passada: “A grandeza deste clube é se recuperar todos os anos, você não pode se contentar com o que já alcançou. Continuaremos dando a importância que este momento tem, mas não podemos estar com esse medo de cair e vamos respeitar a equipe que temos pela frente”.

Ansiedade ofensiva pela falta de gols: “Vamos tentar resolver esses jogos e temos que tentar fazer uma autocrítica e melhorar. É verdade que no Bernabéu há uma energia especial e é gratificante voltar e a inquietação, às vezes, nos coloca problemas, mas estamos com uma dívida com os nossos torcedores. É uma pressão adicional que implica ser um jogador do Madrid e é o que torna ótimo. É difícil o Real Madrid perdoar tantas vezes e espero que esta semana a bola entre”.

Foto: Europa Press Sports