Durante a atual quarentena por conta do COVID-19, as lives são uma das únicas coisas que ‘movimentam’ o mundo futebolístico e, nesta terça-feira, Roberto Carlos, lenda do Real Madrid, participou de uma junto à FIFA no Instragram. Lá, o ex-lateral foi abordado sobre vários temas atuais e de sua carreira, e como destaque falou de seu tempo na Inter de Milão e de sua ida ao clube merengue.

“Na Inter, eles me colocaram para jogar de extremo (ponta) e até como atacante. O grande problema é que marquei sete gols nos sete primeiros jogos. Então eles me colocavam na parte ofensiva e eu sofri muito. Falei com o presidente para dizer que não podia jogar lá porque a Copa América estava chegando e eu tinha que jogar de lateral. O engraçado é que naquele dia houve uma reunião com Lorenzo Sanz e em dez minutos eu me desvinculei da Inter e assinei o Real Madrid”, contou.

Atualmente, Roberto trabalha internamente no clube em assuntos institucionais e como embaixador. Sobre sua função no Madrid, o brasileiro disse: “Eu vejo todos os treinos, viajo com a equipe. Eu precisava dessa atmosfera e também estou na televisão do Real Madrid à beira do gramado”.

Muitos afirmam que o ex-camisa 3 é o melhor lateral-esquerdo da história do Real Madrid, mas há também quem coloque o seu compatriota Marcelo com esse status. No decorrer da entrevista, Roberto foi questionado quanto a esste assunto e, como sempre, demonstrou sua admiração pelo jogador de 31 anos: “Marcelo é um líder, ele é capitão do maior clube do mundo. Quando ele chegou aos 17 anos, eu ficava conversando com ele. Ele fez sua bela história para ele, não para mim. É um fenômeno”.

“Marcelo pode jogar como lateral, meio-campista e ala. Eu só podia tocar na lateral. Hoje em dia não existem muitos jogadores do meu estilo. Marcelo, Filipe Luis, Renan Lodi… Existem muitos laterais com seu estilo”, completou.

Confira as demais declarações de Roberto Carlos

Qual foi o atacante mais difícil de marcar?

“Eto’o, Joaquín … Mas o mais difícil foi Figo. Foi muito pesado. É o mais difícil. Ele era um excelente jogador”.

El Clásico

“Jogar um clássico e marcar um gol é muito especial”.

Qual foi o seu gol mais especial?

“O gol no clássico foi o mais especial, mas o que mais marcou minha carreira foi contra a França (de falta). Às vezes me perguntam sobre esse gol, a bola pesava pouco e eu chutei no gol“.

Neymar e seu crescimento

“Neymar está bem, feliz, respeitando, marcando gols, sendo humilde no PSG, que é o que eu quero ver e no futuro na Copa do Mundo ele poderá ser o melhor jogador do mundo. Neymar é um gênio e existem pessoas que cuidam de sua vida”.

Qual foi a preleção mais especial?

“A do Felipão na final da Copa do Mundo com muitas imagens de familiares e poucas da Alemanha. Não esquecerei a imagem da minha família. Del Bosque e Camacho foram muito bons nisso também, eles abreviaram. Luxemburgo explicava bem os movimentos táticos”.

Qual foi o seu melhor treinador taticamente?

“Luxemburgo foi o melhor. Trabalha com muita elegância”.

Experiência como treinador no Fenerbahçe

“Primeiramente, treinador tem que ser um psicólogo. Você sabe o que o jogador pensa. Existem ótimos treinadores que ensinam sistemas, a bola parada. No tempo de Capelo, ele colocou Hierro, Raúl, Figo, Karembeu e eu e nos entendemos. Quando eu era técnico, pus em prática o que aprendi e facilitou o jogo. Tive dificuldade em trabalhar com pessoas normais. Eu joguei com grandes fenômenos. Na Turquia, se você sabe que não é melhor que os outros, prepara a parte física e tática, e a motivação é a mesma de uma equipe grande“.

Owen

“Foi um fenômeno. Lembro-me de um clássico que entrou no segundo tempo. Quero perguntar se ele sente falta de Madri. Para nós era ídolo. Quando ele veio jogar, foi uma alegria”.

Derrota da seleção brasileira para a Bélgica na Copa do Mundo de 2018

“As pessoas no Brasil não aceitam perder. Ser o segundo é ser o último, é como se você tivesse perdido toda a competição”.

Trajetória no mundo do futebol

“Um pouco de sorte, trabalho, persistência, educação em casa. Saí de casa quando tinha 13 anos e toda a minha vida até os 35 joguei futebol. Hoje estou trabalhando no Real Madrid como recompensa”.

Foto: Getty Images Sport/Quality Sport Images