Pular para o conteúdo

Kroos comentou ataques sofridos por criticar a saída de Ozil da Alemanha

PELA PRIMEIRA VEZ DEPOIS DO OCORRIDO EM 2018, KROOS COMENTOU ataques sofridos POR CRITICAR SAÍDA DE ÖZIL DA SELEÇÃO ALEMÃ

Pela primeira vez, Toni Kroos comentou ataques sofridos pela internet em 2018. Depois da Copa do Mundo, o meio do Rela Madrid foi alvo de muitos torcedores por criticar a forma como Mesut Ozil deixou a seleção alemã: “Fui diretamente chamado de nazista”.

“Depois da Copa do Mundo de 2018, eu disse que não gostava da renuncia de Özil, da forma como ele fez, e então fui diretamente um nazista para muita gente. Loiro, olhos azuis, tudo encaixando para muitas pessoas”, comentou durante uma live com o presidente da Alemanha, Frank-Walter Steinmeier.

Aproveitando a conversa, Kroos deixou uma reflexão depois de dizer ter conseguido superar o ataque e pontuou: “Hoje em dia, qualquer um pode se esconder atrás de um perfil falso para insultar estranhos sem qualquer impedimento”.

A FOTO POLÊMICA, AS CRITICAS E A SAÍDA DE OZIL DA SELEÇÃO

Por que o encontro de Özil e Gündogan com Erdogan, presidente da Turquia,  repercutiu mal na Alemanha
A foto ao lado do presidente turco gerou repercussão e desavenças de Ozil com a federação alemã.

Em maio de 2018, o meio-campista Mesut Ozil ao lado do também jogador Ikay Gündogan, postaram uma foto com Recep Tayyip Erdogan, presidente da Turquia.

Na mensagem eles se diziam ao lado do candidato que na época antecipou as eleições parlamentares e presidenciais para o meio do ano numa tentativa de golpe de estado com repressão e prisões de opositores sem explicações.

Na época, o Governo Alemão, assim como a Federação Alemã de Futebol, acharam desrespeitoso a forma como o jogador participou das eleições turcas. Em nota, publicaram que o futebol e a federação defendem valores que não são respeitados por Erdogan.

Ozil então acusou seus companheiros de clubes e a federação de racismo. “Devidos aos recentes acontecimentos, não voltarei a jogar pela Alemanha enquanto sentir que sou alvo de racismo e desrespeitado” escreveu em um comunicado publicado para anunciar sua saída da seleção.

Texto revisado por Marcela Natra.