Devido ao surto de Covid-19 (Coronavirus) na Europa, as entidades responsáveis pelos campeonatos nacionais tomaram medidas de prevenção, iniciando com partidas sem público até chegar ao cancelamento total. Não demorou para que a responsável máxima do futebol europeu, UEFA, tomasse frente a situação, buscando medidas. Com isso muitas especulações surgiram a cerca do assunto, a principal dúvida era se os campeonatos nacionais seriam terminados e seus respetivos atuais líderes fossem coroados campeões, mas, segundo o presidente da entidade, Aleksander Ceferin, não haverá coroamento de nenhum líder atual.

Ceferin desmentiu que, caso haja necessidade de cancelamento das ligas nacionais, os atuais líderes sejam declarados campeões. “Vi e ouvi notícias falsas de que a UEFA aconselhou as ligas a terminarem o campeonato agora e decidir que os vencedores são os que estão em primeiro no momento. Nosso objetivo é terminar as competições e não recomendamos nada disso às ligas”, disse.

Apesar de todas as medidas terem sido tomadas, não há de certo uma previsão para que a situação de saúde do velho continente melhore. Ceferin também reconhece o impacto financeiro de toda essa paralisação, que também provocou o adiamento do torneio de seleções europeias, a Eurocopa, que seria realizada entre junho e julho deste ano. No entando, o presidente diz que a reunião feita na última terça-feira (17) não teve como prioridade o dinheiro.

“A UEFA liderou o processo com o maior sacrifício. Alterar a Euro 2020 terá um preço enorme, mas faremos o melhor para assegurar que o desenvolvimento do futebol nos nossos 55 países não seja afetado. Os valores são mais importantes que o lucro e este é o nosso princípio ao tomar esta decisão, para o bem do futebol europeu”, declarou.

Ceferin também agradeceu à Confederação Sul-americana de Futebol, a CONMEBOL, pelo adiamento da Copa América, dando a oportunidade de que os campeonatos europeus terminem mais tarde sem serem muito afetados. “Queria agradecer a CONMEBOL, que também mudaram a Copa América. Isso significa que os clubes e as ligas na Europa possam terminar sem grande disrupção e com os jogadores disponíveis. Estes esforços conjuntos são muito apreciados pela comunidade europeia”, disse.

O presidente da Federação Espanhola de Futebol, FEF, Luis Rubiales, também comentou sobre o possível desfecho da temporada nacional, porém foi contrário à Ceferin. “Eu não posso garantir que, como muitos dizem, as competições terminem antes de 30 de junho. É injusto que o campeonato acabe com a classificação atual”, disse.

Mesmo com previsão de retorno das competições no mês de abril, para isso acontecer depende-se da evolução da situação. No cenário atual da liga espanhola o Real Madrid está em segundo lugar, com dois pontos de diferença do líder atual, Barcelona.