Após vaias, Ancelotti diz: “Cada partida tem sua estratégia”

Após vaias, Ancelotti diz: "Cada partida tem sua estratégia"

Ancelotti faz ressalvas após o time sofrer algumas vaias, mas deixa claro que a equipe segue uma estratégia e tentou repetir a ideia da partida de ida

Carlo Ancelotti tomou ciência das vaias que o time recebeu na última partida no Santiago Bernabéu, mas deixou claro que cada jogo tem sua essência e estratégia. Por isso, afirmou que pretende mudar o cenário para a partida deste sábado (6), contra o Rayo Vallecano.

“Cada jogo tem a sua estratégia. Por exemplo, o jogo contra o Shakhtar na primeira mão, a estratégia era a mesma, com um bloco intermédio baixo. Mas o jogo saiu diferente na primeira mão do que na volta. Amanhã o plano será diferente”.

Assim, o treinador declarou na entrevista coletiva que o Real Madrid precisa estar adaptado ao jogo e elogiou o adversário, principalmente no que diz respeito ao setor ofensivo da equipe dos franjirrojos.

“Temos de jogar um jogo completo, porque jogamos contra uma grande equipe. Gosto muito do Rayo, que ataca bem, diretamente… Precisamos de um Madrid que se adapte ao jogo, com muitos registros”.

Por fim, Ancelotti voltou a falar de Eden Hazard que não consegue engatar uma sequência de jogos, nem ser utilizado durante as partidas. Mesmo com os desfalques recentes, o belga não tem caído nas graças do treinador que disse que o jogador precisa ter fé que os minutos voltarão a aparecer.

“O Hazard não está contente, porque tem qualidade, é profissional e está treinando bem. Ele merece ter minutos e vai ter minutos. Se continuar a ter fé, vai ter minutos. Se ele vai ter amanhã, não sei. O importante é que ele está conectado. Lamento porque Hazard é muito profissional. Se ele joga de início, tenho que pensar sobre isso”.

Confira mais trechos da coletiva:

A defesa da equipe: “Acho que a equipe melhorou defensivamente. Temos que melhorar a organização defensiva, porque às vezes nem todos se movem juntos. No gol do Shakhtar, dois foram mais avançados… Mas nos últimos cinco jogos sofremos três gols, dois deles aos 90′. A equipe melhorou e vai melhorar”.

As estratégias jogadas: “Não marcamos muito, é verdade. É um problema que temos, mas estamos trabalhando. No ano passado, com o Everton, marcamos muitos gols. Temos que melhorar nosso posicionamento aqui na área”.

Vaias na arquibancada: “A reação das arquibancadas deve ser levada em consideração. Eles não gostaram que a equipe defendeu muito baixo e o que os torcedores acham que é importante. Quero uma torcida feliz e temos que trabalhar nisso”.

Como se sente Ancelotti?: “Estou muito animado, muito feliz… Nesta cidade me encontro… Não posso dizer como dizem os espanhóis, mas me sinto bem”.

Poucas rotações e situações de Bale, Ceballos e Hazard

A raiva dos jogadores: “Ontem falei com um jogador, não falo o nome, e ele disse-me uma coisa interessante. Disse-me que compreendeu que às vezes o jogador muda porque não está bem. Perguntei ele por que ele ficaria com raiva então. E ele me dizia: ‘Um jogador que não fica com raiva porque o mudaram não é um jogador”. Ele se irrita com o treinador, não com a pessoa. Eu ficava bravo com o Capello quando ele não me colocava e ele me dizia que, quando ele fosse treinador, ele entenderia. Agora eu entendo muito bem”.

Poucas rotações: “Mudanças são feitas para dar pausas, para motivar os jogadores… Não acho que a equipe esteja muito cansada. É verdade que no último jogo fiz poucas mudanças, mas não queria mudar a dinâmica do jogo. Não joguei muito a média porque não tinham Valverde e porque Casemiro, Kroos e Modric estão bem. Ganharam quatro jogos em cinco”.

Como está Bale?: “Ele treinou bem, mas não foi convocado. Ele vai para o País de Gales e a seleção vai avaliar se ele pode jogar ou não. Vai depender de como o jogador se sente. Eles vão decidir lá. O importante é que Bale está bem, mas depois de dois meses afastado, o que o jogador sente é importante”.

Ceballos: “Gosto do Dani como jogador. Já o vi muitas vezes no Arsenal. Ele está voltando de uma lesão grave. Há alguns dias começou a trabalhar em campo. Precisamos de um pouco mais de tempo para ele treinar com os equipe novamente”.

Hazard, onde ele pode jogar?: “Num 4-3-3 o lugar dele é pela esquerda, temos que ver se ele consegue jogar pela direita. Valverde, por exemplo, que problema ele tem? Ele tem 21 anos velho, mas na frente ele tem o melhor. Mas é o futuro por anos”.